A escola criativa


Egidio, Guilherme e Berenice Romanelli

Quando a Berenice e o Guilherme decidiram estudar as artes a fundo, seus pais se perguntaram como seria o futuro profissional deles. Para amenizar a inquietação, os dois se tornaram professores! O que ninguém previa, era o diálogo profícuo que se estabeleceria entre as artes, o ensino e as neurociências, assunto que ocupou muitas horas de almoços de domingo em família. O fruto dessas reflexões amadureceu e se tornou este livro.

Seria extraordinário se pudéssemos escrever e publicar as conversas que acompanham nossas vidas afora. Frequentemente, temos a impressão que em discussões informais nossas idéias fluem criativamente e trazem conclusões que não queremos esquecer – é por isso que dizemos “tenho que anotar isso!”. Sem se sobrepor à magia da própria conversa, sentimos que era hora de escrever algumas reflexões que nos acompanharam desde os tempos escolares até assumir este novo papel, como professores.

Em tempos de críticas à educação, planejamos este livro como a possibilidade de compartilhar nossa paixão por ensinar e nossa crença na escola, enquanto espaço privilegiado para aprender a viver e se humanizar, sem esquecer que é nessa mesma escola que convivem complexas contradições.

Gostaríamos de convidá-lo a acompanhar nossas ideias, buscando possibilidades para nossa querida escola ser mais criativa e consequentemente mais envolvente. Finalmente consideramos importante lembrar que, se você está lendo essas palavras, é provavelmente graças à escola.

Uma ótima leitura!

Os autores.

Comente!