Avaliar para nós é…


Laura Mont Serrat Barbosa, Arlete Z. Serafini, Luiza M. Bernert, Simone Carlberg, Vera L. G. Sicuro e Virginia Alice R. C. F. de Oliveira

O aprendiz e aprendizagem podem ser vistos, analisados, avaliados, valorizados por vários ângulos, de várias formas e podem ser compreendidos nas suas peculiaridades sem terem que ser considerados como cartas fora do baralho da normalidade.

Além disso, o contexto da atualidade precisa ser pensado, repensado e objeto de reflexão, pois se sabe que a pertença ao contexto faz do aprendiz uma pessoa situada e a sua situação, contém e é contida neste processo, tornando impossível a sua análise sem considerar aspectos ligados ao ambiente natural, social e cultural.

Olhar, escutar, silenciar, levantar hipóteses, intervir, utilizando recursos para valorizar a aprendizagem, são ações necessárias em uma avaliação, através da qual, por meio dos indicadores visíveis, pretende-se compreender um funcionamento que não é visto objetivamente, assim como encaminhar ações para aperfeiçoamento, aprofundamento e ampliação das condições de aprender.

Portanto, é dessa maneira que justificamos nossa opção pelo conceito de avaliar e por uma práxis avaliativa que valoriza o aprendiz e seu processo de aprender, além de acolher sua construção como ponto de partida para novos avanços na busca de evitar a submissão do aprendiz e a patologização ou medicalização de sua aprendizagem.

1 Comentário para “Avaliar para nós é…”

  1. Paz a todos, sucesso é esperado, o assunto é extremamente pertinente, principalmente aos educadores. Necessitamos urgentes em aprimorarmos o conhecimento dos seres cognoscentes, como também alterar o sistema ultrapassado de avaliação, que ainda utilizamos, tão longe de um olhar para a complexidade da aprendizagem, parabéns. parabéns pela escolha do tema, abraços fraternos, parabéns aos autores e à editora, precisamos de saberes diversos nos aspectos multiformes na aquisição da aprendizagem.
    desejo-lhe sucesso de vendas e ampla divulgação, Deus cubra a todos, paz,
    Edna

Comente!