Porta aberta: indisciplina + conflito = solução: Por quê?


Porta Aberta

Celso Antunes

 

O título de um livro, diz muito.

Ou, ao menos, deveria dizer. O título não deve esconder intenções, ocultar pensamentos, propor adivinhações. Ao contrário, um título deve ser assim como uma janela aberta que nos convida a conhecer o interior ou nos dispensa desse trabalho. Todo título que não conta a que veio, que não revela o que se propõe, ameaça o leitor e muitas vezes o engana, levando-o a buscar algumas coisas e apenas outras encontrando. Mas, por maior que seja a clareza de um título, essa intenção não pode esconder uma justificativa ou explicação. É, pois, com essa intenção que aqui se justifica um título que é, em verdade, uma equação. O que pretendeu o autor mostrar com: INDISCIPLINA + CONFLITO = SOLUÇÃO

A primeira das intenções deste livro é discutir a disciplina e a indisciplina na sala de aula, mostrando onde buscar suas causas e de que maneira identificá-la como um dos mecanismos que mais atrapalham a intenção de um professor ou de uma escola. Realmente, de que vale um professor conhecedor de estratégias de ensino, atraente e cercado de intenções transformadoras, se a classe não o ouve, se a bagunça generalizada produzida pelos alunos o impede de concretizar seus ideais? Da mesma forma, cabe indagar: de que vale uma escola que se pretende boa, que investe em recursos e treinamento em sua equipe, se não superou desafios de indisciplina que escondem essas intenções e frustram a expectativa de formar pessoas?

Mas, se o título em sua primeira palavra já destaca o tema que busca apresentar e sugerir, por que a palavra “conflito”? Se essa palavra tem o mesmo significado de “indisciplina” seu nome não deveria aparecer, pois é ilusória redundância; se expressa outra coisa, qual sua relação de proximidade com a palavra “indisciplina” e por que, na soma das duas, se sugere uma solução?

A resposta é simples, ainda que não seja fácil.

Sempre que existe um verdadeiro conflito, encontramo-nos diante de uma situação humana oposta à passividade, inimiga do conformismo e distante da apatia. Um indisciplina em sala sem conflito é aquela, tantas vezes comum, da aula na qual não ocorre bagunça, mas não há o interesse, na qual não existe agitação porque, esmagados pelo conformismo, os alunos vivenciam o tédio e fazem de seu silêncio e da indiferença a forma mais ruidosa de indisciplina. Não é desta indisciplina que este livro busca trabalhar. Antes, sua intenção é a do conflito de alunos que querem se interessar e não são chamados a isso, de pessoas dispostas a aprender desde que “valha a pena”, sem encontrar, todavia, aulas que os anime, desafios que os arrisque, escola que veja em sua rebeldia uma vontade de mudar. Percebe-se, pois, que existe sempre um “bom conflito” e que, ao se fazer deste um caminho para uma aprendizagem eficiente, equaciona-se o problema da indisciplina, canalizando-a para um ensino transformador.

É desta indisciplina que este livro busca tratar e, como ela é gerada pelo conflito entre o que se deseja e o que nos é oferecido, é que se buscou a intenção do título. Discutir causas e estratégias para se administrar a indisciplina que nasce do bom conflito é descobrir que, quando essa equação é plenamente compreendida por todas as partes envolvidas, não há como não se chegar a uma solução.

Explicando-se a intenção do título, fecha-se essa janela apresentadora, e abrem-se as portas para reflexões e estratégias para as quais, compreendendo o conflito da indisciplina, sabe que se pode esperar por solução.

A porta está aberta. Pode entrar.

 

1 Comentário para “Porta aberta: indisciplina + conflito = solução: Por quê?”

  1. Já tive oportunidades incriveis de assistir a palestras do professor Celso Antunes, ele é demais. Amo suas ideias e já tenho alguns exemplares de suas publicações. Acho ele o máximo!!!!!!!Tive a oportunidade de tietá-lo em Teotonio Vilela – AL em 2004. Abraços para ele!!!!!!!

Comente!